CoronaVac: Campos espera vacinar mais de 10 mil crianças de 3 a 5 anos

Foto: Supcom

O Ministério da Saúde, por meio da Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações (CGPNI), emitiu, na noite da última terça-feira (19), a nota técnica com as orientações que irão nortear a vacinação de crianças de 3 a 5 anos com a vacina da CoronaVac, seguindo a autorização de uso emergencial aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No entanto, o município de Campos aguarda o posicionamento da Secretaria de Estado de Saúde (SES) quanto ao envio do imunizante para dar início à vacinação. A expectativa é vacinar mais de 10 mil crianças dessa faixa etária.

Mediante a limitação dos estoques dos imunobiológicos nos estados e municípios destinados à imunização do público infantil, o Ministério da Saúde orientou para que o início da vacinação seja de forma gradual, priorizando todas as crianças imunocomprometidas de 3 e 4 anos, e posteriormente, avançar na imunização por faixa etária para o público geral. Neste primeiro momento, as crianças a partir de 5 anos, deverão ser vacinadas com a vacina Pfizer pediátrica, conforme esquema vacinal já recomendado.

A nota técnica também informa que o Ministério da Saúde está em tratativas junto ao Instituto Butantan e ao Consórcio Covax, para aquisição da vacina CoronaVac em quantidade suficiente para atendimento da estimativa populacional de crianças de 3 e 4 anos.

Ainda sobre o quantitativo de vacinas disponíveis, estados e municípios devem monitorar seus estoques, com o intuito de garantir a segunda dose com o intervalo de 28 dias, até que o estoque nacional seja regularizado.

Para o subsecretário de Atenção Básica, Vigilância e Promoção da Saúde (Subpav), infectologista Rodrigo Carneiro, a vacinação para crianças de 3 a 5 anos incompletos, é de extrema importância, não só para os pequenos, mas para idosos e pessoas imunossuprimidas.

“Estamos falando de uma população de mais de 10 mil pessoas que vai funcionar como um meio de circulação do vírus. Apesar de as crianças raramente apresentar quadros graves de Covid-19, se nós tivermos mais crianças infectadas, aumentará o número de internados e, consequentemente, a gravidade. Então, a vacinação vai diminuir a quantidade de vírus circulante e, com isso, a gente protege individualmente as crianças e coletivamente toda a população”.