Acidente em Capitólio: erosão e infiltração da chuva podem ter causado queda, dizem especialistas

O desabamento de um paredão no lago de Furnas, em Capitólio (MG), pode ter sido acelerado por erosão do solo e infiltrações de água das fortes chuvas que atingem todo o estado há dias, segundo especialistas.

Eles também destacaram o fato de que paredões e falésias costumam ceder naturalmente e, conforme o turismo avança, isso passa ser mais conhecido.

Para Joana Paula Sanchez, especialista em turismo geológico e professora da Universidade Federal de Goiás, um mapeamento técnico da região poderia ter evitado que pessoas estivem tão próximas de uma área de risco.

O desabamento no começo da tarde deste sábado (8) deixou 7 mortos, dezenas de feridos (4 ainda estão internados) e 3 desaparecidos.

A Marinha do Brasil informou que um um inquérito será instaurado para apurar as causas e a Polícia Civil também também já investiga o caso. Além disso, a Marinha deve investigar se os barcos de passeio poderiam estar ali, dadas as condições climáticas e os alertas meteorológicos.

Condições climáticas e geológicas

Além das chuvas intensas dos últimos dias, pesa o fato de a região ser basicamente formada por rochas que possuem uma resistência menor.

“A entrada de água nessas áreas pode fazer a rocha perder a coesão, que é a resistência interna”, explicou tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

Fábio Braz, da Sociedade Brasileira de Geologia, também acredita que as chuvas contribuíram para a queda. “Essa questão das chuvas muito intensas, por períodos muito longos, [faz] o solo se encharcar. O sedimento se encharca e não existe mais aquela penetração ao longo da superfície, então começa haver o escoamento”, explicou.

“Outra coisa que chama atenção é esse fraturamento horizontal”, destacou o geólogo. “Você vê que o bloco se desprende numa fratura praticamente em 90 graus. Você vê que começa a rachar horizontalmente na base e, depois, tem esse desprendimento verticalizado, quando o bloco tomba.”

Aihara, dos Bombeiros, também afirmou que o desmoronamento de rochas é comum em Capitólio e que o que agravou a situação foi o tamanho e modo como as pedras caíram.

“Nesse caso, como a gente teve esse tombamento perpendicular, e pelo tamanho da rocha, a gente acabou tendo essas pessoas diretamente afetadas”, disse. “Geralmente, esse tipo de desmoronamento acontece com as rochas caindo até mesmo de pé, e não perpendicular, como foi neste acidente.”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here