Vídeo: você sabe como identificar uma ideação suicida?

A psicóloga Uilcimara Abreu, que atua em Campos, explica como o suicídio pode ser evitado

O mês de setembro é voltado para a campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. Segundo dados divulgados em 2019 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), 32 brasileiros se suicidam diariamente. No mundo, ocorre uma morte nesse padrão a cada 40 segundos, o que significa que aproximadamente 1 milhão de pessoas se matam a cada ano. A campanha Setembro Amarelo foi criada no Brasil em 2015 pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), com a proposta de agregar ao dia 10 de setembro, que é comemorado o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Com o avanço da pandemia do novo coronavírus, esse problema se tornou ainda mais preocupante.

Uilcimara Abreu
Psicóloga
CRP 05/42360

Em entrevista ao jornal O Milênio, a psicóloga Uilcimara Abreu, explicou o motivo por qual o suicídio deve ser visto com ainda mais atenção durante este período de pandemia e falou sobre a importância da campanha Setembro Amarelo.  

“Nesse período de pandemia, pode acontecer de aumentar os sofrimentos, seja por conflitos financeiros ou familiares que se intensificaram e devemos nos atentar a isso. A campanha do Setembro Amarelo é importante para ensinar como falar e porque falar do suicídio. Falar sobre o tema de forma que não incentive o ato, mas de acolher o sofrimento de quem já tentou suicídio ou pensa em cometer suicídio”, explicou a especialista.

Uilcimara também alerta sobre a importância de acolher as pessoas quando sinais de que elas estão pensando em se matar forem observados.

“Algumas falas não são valorizadas e existe uma crença social de que quem fala que vai se matar, não faz. Isso além de não ser verdade, pode incentivar a pessoa a cometer o suicídio. Falas comuns que demostram a ideação suicida são: dizer que não gosta de viver, que gostaria de dormir e não acordar mais, que pede a Deus que o leve dessa vida. Vale ressaltar que não são apenas pessoas  com transtornos que tentam suicídio. Entender tudo isso e incentivar pessoas em sofrimento intenso (em vez de desvalidar o sentimento da pessoa) ajuda muito a prevenir o suicídio. Precisamos mostrar que há saídas e buscar ajuda profissional é uma delas. Devemos ter cuidado com falas como ‘só quer chamar atenção’, além de poder não ser verdade, a pessoa pode acabar não medindo as consequências e causando o ato”, afirmou.

Para concluir, Uilcimara explica que os suicidas não são pessoas que querem perder a vida, mas pretendem dar fim a um determinado sofrimento e não encontram outra saída. “Quem comete suicídio não deseja morrer, mas quer acabar com o sofrimento e não vê outro meio, e por isso devemos nos preocupar com qualquer fala em que a pessoa demonstre desesperança em relação à vida ou a problemas que estejam passando. Hoje, cresce o número de suicídios em adolescentes e até crianças, porque elas também têm seus sofrimentos. A melhor forma de prevenção é sempre buscar ajuda ao menor sinal de sofrimento. Não precisamos esperar uma tentativa real para buscar ajuda”, finalizou.

A psicóloga também faz orientações através de uma entrevista em vídeo. Veja o conteúdo abaixo que reforça a importância da conscientização do Setembro Amarelo!

Redação
Redação Administrator
O Milênio