Primeira semana do retorno de 100% das aulas presenciais na rede estadual começa com críticas em Campos

A imagem mostra alunos no pátio da escola estadual Liceu de Humanidades de Campos #PraCegoVer - Foto: Leitor/O Milênio

A primeira semana do retorno das aulas na rede estadual do Rio de Janeiro, começou agitada e cercada por críticas. Em Campos, professores e pais de alunos usaram as redes sociais para questionarem o Governo do Estado do Rio de Janeiro por ter liberado o retorno de 100% dos estudantes. Os colégios voltaram a receber a quantidade total de alunos nessa segunda-feira (25).

A equipe do jornal O Milênio ouviu uma professora de uma das principais escolas estaduais da cidade. Ela comentou que os alunos se aglomeraram no primeiro dia de aula e disse ainda que eles não têm o domínio da forma certa de usar máscara de proteção. “Os estudantes ficaram todos juntos sem respeitar o distanciamento necessário. Muitos usavam máscaras no queixo ou nem usavam, apesar das orientações passadas. Os corredores estavam lotados. Nós educadores nos sentimos expostos e assustados com o retorno das aulas. Algumas escolas não possuem estrutura para voltar a receber a quantidade total de alunos”, afirmou a professora, que preferiu não ter o nome revelado.

Já o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Estado do Rio de Janeiro (Sepe) de Campos fez duras críticas ao governador Cláudio Castro e criticou a situação encontrada no Liceu de Humanidade. “Estivemos no Liceu, maior escola estadual do município de Campos dos Goytacazes, e foi possível perceber o descontentamento de mães e alunos, como também dos professores da unidade escolar diante da arbitrariedade do governador. Alunos pressionados pelo retorno com a ameaça de reprovação por faltas e o fim do ensino remoto ao qual frequentavam por dois anos consecutivos. Mães revoltadas e com medo de permitir que seus filhos retornem às aulas presenciais. Muitas delas com a experiência de contaminação de familiares e óbitos dos mesmos. Seus filhos não estão totalmente imunizados já que receberam até então somente uma dose da vacina. Professores visivelmente abalados com a situação na qual estão sendo colocados”, diz o comunicado do sindicato.

Procurada por nossa equipe de reportagem, a Secretaria Estadual de Educação ainda não se posicionou sobre as críticas apresentadas e sobre o descumprimento das medidas sanitárias nos colégios estaduais.

Redação Administrator
O Milênio

Comentários