Paciente perde parte do nariz após preenchimento labial malsucedido no Rio

A foto mostra Thiago após o procedimento #Pracegover - Foto: Arquivo pessoal

A Polícia Civil instaurou um inquérito para investigar um procedimento estético que não saiu como o esperado em uma clínica odontológica em Angra dos Reis (RJ). O paciente Thiago Delgado, de 35 anos, pagou R$ 1,8 mil para uma aplicação de ácido hialurônico nos lábios e acabou sofrendo um acidente vascular.

O caso aconteceu no dia 11 de junho de 2021. O responsável pelo preenchimento labial disse que prestou auxílio imediato e que arcou com as despesas que o paciente teve. No lado superior direito, não houve nenhuma complicação. No lado esquerdo, o problema começou a surgir já no momento da aplicação.

“Assim que ele começou a fazer o preenchimento no lado esquerdo, eu vi que ele começou a ficar muito nervoso. Eu perguntei: Ronaldo, está tudo bem, eu estou ficando bonito? Ele ficou quieto, calado. Nisso, eu comecei a ficar um pouco desesperado. De imediato, ele começou a massagear muito, e essa massagem que ele fazia doía muito”, descreveu o paciente.

“Ele me receitou um medicamento e eu fui para casa. Chegando em casa, minha mãe viu que eu estava ficando com meu lábio todo roxo. Fui dormir e acordei com uma dor insuportável”, acrescentou.

Preocupado, Thiago ligou para o profissional e retornou ao consultório. “Ele começou a fazer um procedimento em videochamada para um cara que ele chamava de mestre. Ele tremia muito. Não sabia o que fazer. Logo em seguida, quem assumiu o procedimento foi um outro dentista, que eu nunca tinha visto na minha vida. Em nenhum momento, desde o primeiro dia, eu fui informado que poderia dar uma complicação”, reclamou.

Thiago também disse que não autorizou a participação de outros profissionais nos procedimentos de emergência. Sem sentir que estava tendo o acompanhamento que achava adequado, ele procurou uma médica dermatologista que ele confiava.

“Comecei a mandar foto. Liguei pra ela e ela falou pra eu ir pro Rio, pra ser acompanhado por uma equipe especializada. Não consegui ir no mesmo dia. Essa noite foi muito ruim. Eu fui parar no hospital, do hospital eu fui para casa, de casa eu fui pra um posto de saúde tomar morfina”, descreveu.

O paciente disse que o dentista o orientou a seguir os conselhos da dermatologista e prometeu arcar com o custo do tratamento. A avaliação da médica especialista foi feita no quarto dia pós-procedimento.

“O Thiago foi recebido já com estágio avançado de isquemia no rosto, onde a gente conseguia ver uma falta de perfusão muito grande na região do nariz do Thiago, principalmente na asa nasal. A área encontrava-se completamente isquêmica, esbranquiçada, um aspecto marmóreo, um aspecto que a gente chama de mumificado. O paciente nem dor mais apresentava nessa região, devido à falta do suprimento sanguíneo” avaliou a dermatologista.

Segundo Thiago, a equipe médica que o atendeu conseguiu recuperar parte do lábio que também poderia ser atingida, caso ele não fosse corretamente socorrido.

“Eles conseguiram recuperar toda a parte do lábio que seria necrosada. A médica disse que eu tava infartado, como se fosse no coração, mas era no rosto. Aí começaram os procedimentos pra salvar a minha vida. A primeira semana foi de muita luta, muita dor”, detalhou Thiago.

Segundo o paciente, após a primeira semana do tratamento com a médica de sua confiança, o dentista pediu para que ele fizesse uma consulta com outro especialista, justificando que os procedimentos estavam ficando muito caros.

“Fui pra poder ajudá-lo, porque eu vi que tudo estava sendo muito caro. Fui nesse médico. Ele me levou para o centro cirúrgico e já queria tirar essa parte necrosada que eu estou. Ele falou: ‘Thiago, só vai sangrar e a gente vai fazer um curativo. Depois a gente faz uma cirurgia’. Eu falei: você não vai encostar em mim’. E saí de lá desesperado”, lembrou Thiago.

Desde então, Thiago conta que não teve mais nenhum apoio financeiro do dentista e que continua com o tratamento que vinha fazendo com uma equipe médica de sua confiança.

Custo da reparação

Para pagar os procedimentos, Thiago já vendeu a moto, que tinha comprado há três meses, uma mesa de sinuca e outros itens pessoais, além de pedir ajuda nas redes sociais. Os amigos estão organizando rifas para levantar dinheiro, enquanto a família criou uma “vaquinha” na internet.

“Estou dando continuidade da forma que eu posso. Não está sendo fácil pra mim, nem pra minha família. Nas três primeiras semanas, parecia que eu ia morrer. Eu cheguei a pedir para Deus levar a minha vida, porque eu não ia aguentar tanta dor”, disse Thiago.

Caso irá para a Justiça

Uilian Loose, advogado de Thiago, disse que a prioridade no primeiro momento era cuidar da recuperação de seu cliente, mas que já entrou com ações legais contra o profissional responsável pelo procedimento.

“O que a gente busca, no final das contas, é entender o que aconteceu durante o procedimento e no tratamento imediato assim que o Thiago começou a sentir dor. Nós registramos, como primeiro passo, um boletim de ocorrência. Tendo uma gama de provas que nós constituímos, nós teremos material suficiente para embasar o processo para que o Poder Judiciário possa nos dar uma resposta a respeito da complicação do Thiago”, explicou Uilian Loose.

O caso vem sendo acompanhado pelo delegado Vilson de Almeida Silva, que aguarda o resultado do exame de corpo de delito para dar prosseguimento na investigação.

“No caso de alegação de erro médico, cabe à Polícia Civil investigar se houve culpa do profissional no atendimento à vítima. Normalmente, a vítima é encaminhada ao IML [Instituto médico legal] para que os peritos analisem se houve culpa no atendimento, ou seja, se o profissional atuou com negligência, imprudência ou imperícia”, explicou o delegado de Angra dos Reis.

Fonte: G1

Redação Administrator
O Milênio

Comentários