Museu Histórico de Campos tem a luz cortada pela segunda vez no ano

O corte da energia aconteceu por volta das 9h desta terça-feira (4)

Foto: Arquivo

O Museu Histórico de Campos teve a energia cortada na manhã desta terça-feira (4) por equipes da Enel. A interrupção da energia impossibilita que continuem sendo realizados o Cadastro Municipal de Entidades de Natureza Cultural (CEC), do Conselho Municipal de Cultura de Campos, para agentes culturais do município, para que os artistas possam ser candidatos ao recebimento de um auxilio financeiro do governo federal durante este período de pandemia.

Segundo a diretora do Museu, Graziela Escocard, os agendamentos estão acontecendo as quartas e quintas e como não há certeza sobre quando será religada a energia, ela está remarcando com os 10 artistas que seriam atendidos nesta quarta-feira (4). Graziela explicou também, que esses profissionais se deslocam de longe para fazerem o cadastro, como de Conceição do Imbé e comunidade Quilombola e teme que encontrem o museu sem poder recebê-los. Os cadastros estão previstos para acontecer até o dia 19 de agosto e seguem as medidas de segurança para evitar a propagação do coronavírus. Essa não é a primeira vez que a energia do Museu fica suspensa neste ano, assim como em outros locais de responsabilidade municipal, como o Shopping Popular Michel Haddad e o Teatro Trianon.  

Apesar da flexibilização de alguns setores, a classe dos artistas será uma das últimas a retornarem ao trabalho, já que normalmente geram aglomerações. A equipe do jornal O Milênio entrou em contato com a Enel para saber o motivo do corte e aguarda um retorno. Em nota a prefeitura informou que considera a conduta da concessionária abusiva. “Há mais de um ano foi solicitada a Enel emissão de conta com código de barra individual para pagamento de fatura. Este pedido havia sido negado pela concessionária – que agrupa conta de vários imóveis numa única fatura, fazendo com que o valor da conta fique muito elevado. A Procuradoria Geral do Município está adotando as medidas jurídicas cabíveis para restabelecer o fornecimento, tendo em vista a conduta abusiva da concessionária de energia de não individualizar as faturas para pagamento. Como já sabido, o município atravessa um momento de sucessivas quedas de arrecadação e segue estudando medidas para pagamentos prioritários, entre eles, a energia deste prédio. No último mês, a cidade de Campos recebeu o terceiro menor repasse de royalties nos últimos 16 anos. Entre royalties e Participação Especial (PE), Campos já acumula perdas de mais de R$ 150 milhões somente este ano”, disse a nota.

Redação
Redação Administrator
O Milênio

Comentários