Morte de Renato Russo completa 25 anos. Conheça a história do ídolo do rock!

“Sei que, às vezes, uso
Palavras repetidas
Mas quais são as palavras
Que nunca são ditas?”

Daquele vozeirão, saíam mais do que palavras repetidas. Eram de temas ecléticos. Juntavam-se tanto os versos inconformados, como os de amor, como os de dores, como os de sarcasmo. Das letras que criava, saíam histórias de pessoas comuns, de invisíveis em meio à capital. Do dedilhar da guitarra, a influência do punk ecoava um jeito brasileiro de fazer rock.

O cantor e compositor Renato Russo, líder da banda Legião Urbana, morreu em 11 de outubro de 1996, com apenas 36 anos de idade. Vítima de complicações da Aids, a partida de Renato deixou o mundo da música e um país inteiro de luto. A sua obra, que marcou as décadas de 1980 e 1990, deixou legado inconfundível.

Mesmo tendo nascido no Rio de Janeiro, Renato Manfredini Júnior chegou aos 13 anos de idade para morar em Brasília. Foi na capital do país que ele viveu a adolescência e o interesse pelo rock. Em 1980, fez o primeiro show com a recém-criada banda Aborto Elétrico. Em 1984, já na Legião Urbana, teve o primeiro disco. A identificação dele com a cidade fez história (s), como com as inspiradas letras de Eduardo e Mônica e Faroeste Caboclo.  

Antes de fundar a Legião Urbana, o artista integrou o grupo musical Aborto Elétrico, do qual saiu devido aos constantes desentendimentos com o baterista Fê Lemos. Adotou o sobrenome artístico Russo em homenagem ao inglês Bertrand Russell, ao suíço Jean-Jacques Rousseau e ao francês Henri Rousseau. Amigos do cantor afirmam que ele contraiu a doença após se envolver com um rapaz que conheceu em Nova Iorque, portador da doença, em 1989.

Professor de inglês e jornalista

Entre os anos de 1978 e 1981, Renato Russo foi professor de língua e literatura inglesa na Cultura Inglesa. Era um professor muito procurado pelos pais de alunos, que pediam que seus filhos fossem matriculados para as suas aulas, porém foi demitido após alguns atritos entre ele e a direção, na mesma época trabalhou como repórter em um programa de rádio que defendia os direitos dos consumidores, o Jornal da Feira, produzido pelo Ministério da Agricultura. Renato ainda trabalhou na apresentação de um programa de rádio sobre os Beatles, numa FM de Brasília em 1983.

Envolvimento com drogas

Renato Russo se envolveu com drogas desde a adolescência, mas durante o crescimento da Legião Urbana, o seu envolvimento aumentou consideravelmente, chegando a atrapalhar nos shows, como relatou Dado Villa-Lobos. Para tratar do vício em álcool e drogas (cocaína e heroína), o líder da Legião Urbana passou 29 dias internado na clínica na clínica Vila Serena, no Rio, entre abril e maio de 1993.

Redação Administrator
O Milênio

Comentários