Miracema obtém melhor índice do Ideb no Estado do RJ

Falha humana fez com que Campos não obtivesse inscritos suficientes para conseguir resultados

O município de Miracema, no Noroeste Fluminense obteve o melhor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no ano de 2019 entre os municípios do estado do Rio de Janeiro. A informação foi divulgada nesta terça-feira (15).

Segundo a prefeitura, o município conquistou 6.9 no primeiro segmento escolar e 6.1 no segundo segmento. A meta considerada adequada pelos países desenvolvidos é 6. Em nota, a prefeitura comemorou o destaque na educação municipal. “O resultado é comemorado e é fruto de muito trabalho de toda equipe da Rede Pública Municipal de Ensino. É digno de uma emoção que nós não conseguimos explicar, apenas sentir e ter orgulho e gratidão”, concluiu.

Outros municípios que se destacaram na Região Noroeste foram: São José de Ubá (6.4), Itaocara (6.3), Itaperuna (6.3), Bom Jesus do Itabapoana (6.1), Santo Antônio de Pádua (6.1), Cambuci (5.7), Italva (5.7), Natividade (5.6), Aperibé (5.5), Laje do Muriaé (5.3), Varre-Sai (5.3) e Porciúncula (5.2), nos primeiros anos e Natividade (5.6), Porciúncula (5.6), Itaperuna (5.4), Itaocara (5.3), Santo Antônio de Pádua (5.2), Aperibé (4.9), Varre-Sai (4.8), Italva (4.4), Cambuci (4.2), Bom Jesus do Itabapoana (4.1) e Laje do Muriaé (3.7), no segundo segmento escolar. O município de São José de Ubá não aparece nessa lista.

Em relação aos municípios no Norte Fluminense, no primeiro segmento, Macaé se destaca como primeiro com a nota de 6.3, em seguida aparecem os municípios: Quissamã (6.1), Conceição de Macabu (5.7), São João da Barra (5.5), São Francisco de Itabapoana (5.3), Carapebus (5.1), São Fidélis (4.9) e Cardoso Moreira (4.5). São Francisco, Carapebus, São Fidélis e Cardoso Moreira não alcançaram o objetivo.

Campos não teve a nota divulgada. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), informou que o número de participantes no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) não foi suficiente. A prefeitura de Campos lamentou o ocorrido e atribuiu essa falha a um erro humano. “O Ideb é calculado a partir do resultado do Sistema Nacional de Avaliação de Educação Básica (Saeb) e o Índice de Aprovação escolar do Município e que, por falha humana, houve um erro no cadastramento das escolas da rede municipal na época, fazendo com que a maioria delas não pudesse participar. Na ocasião, foi feita uma reunião explicando a situação aos diretores das unidades escolares que não participaram. Na época, ainda não havia como mensurar as consequências de um erro pessoal e se esperava que a medida fosse, no máximo, impactar na nota e não impossibilitar sua divulgação. A Smece trabalha desde 2017 de modo a promover um aprendizado efetivo dos estudantes da rede municipal. Entre as ações realizadas estão: o fim da política de aprovação automática na rede municipal, que aumentava a nota final do Ideb, mas prejudicava os estudantes a médio prazo; e o aumento da carga horária de Português e Matemática, de quatro para seis tempos semanais cada, visando melhorar o domínio dos alunos sobre as disciplinas básicas, recuperando a defasagem existente e nivelando à carga horária praticada na rede particular”, finalizou a nota.

Redação
Redação Administrator
O Milênio