Mandetta é exonerado por Bolsonaro e pede foco na luta contra o coronavírus

Foto: Reprodução

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, deixou oficialmente a pasta, nesta quinta-feira (16), após ter sido exonerado do cargo pelo Presidente da República Jair Bolsonaro. Mandetta e Bolsonaram se pronunciaram sobre o assunto durante coletivas de imprensa.

O sucessor de Mandetta será o oncologista, Nelson Teich. Segundo o pronunciamento do presidente, respeita as decisões do ex-ministro, mas por coordenar 22 ministérios, não pode dar prioridade a apensas um. O presidente considerou a exoneração como uma “separação consensual”.

“É como um paciente que têm duas doenças, a gente não pode abandonar uma e tratar exclusivamente da outra. Porque no final da linha esse paciente pode perder a vida. Sabemos que as interpretações dependem da linha editorial de cada jornal. Sempre falamos em vida e emprego, nunca emprego e economia de forma isolada. Desde o começo busquei levar uma mensagem de tranquilidade. O clima quase de terror se espalhou no meio da sociedade. Isso não é bom, uma pessoa que vive no meio de histeria fica propenso a adquirir novas doenças. É direito do ainda ministro defender o seu ponto de vista como médico, mas a questão do emprego não foi tratada da forma que eu, como chefe do executivo, achei que deveria ser tratada. Não condeno, não recrimino, o ministro Mandetta, fez aquilo que achava que deveria ter ser feito como médico. Ao longo deste tempo a “separação” se tornava cada vez mais uma realidade”, disse.

Bolsonaro também afirmou que vai conversar com o novo ministro a respeito da liberação gradual do isolamento social. O isolamento social foi uma das principais medidas defendidas por Henrique Mandetta. Durante coletiva, Mandetta agradeceu a toda equipe e pediu que o trabalho não foi atingido pela mudança de ministro.

“Trabalhem para o próximo ministro tal qual vocês trabalharam para mim. Ajudem, não meçam esforços. Desdobrem os seus esforços para que eles tenham o melhor espaço possível para trabalhar. Alertem, dialoguem. Vocês sabem fazer isso. Vocês são todos extremamente capazes e não será este problema insignificante que irá atrapalhar. Nada tem significado que não seja uma defesa intransigente da vida, do SUS e da ciência.”  disse o ex ministro emocionado, para os mais de 120 Servidores do Ministério da Saúde que lotaram o auditório e o aplaudiram de pé.

No inicio da tarde, Mandetta já havia declarado em uma rede social a sua saída do Ministério da Saúde. “Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”, escreveu Mandetta.

Redação
Redação Administrator
O Milênio