Justiça autoriza Suzane Richthofen a cursar faculdade de farmácia

Suzane Von Richthofen deixou a penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé (SP), na manhã desta terça-feira (14) em uma saída temporária. Suzane foi condenada a 39 anos de prisão por matar os pais em 2002, mas foi autorizada pela Justiça a cursar faculdade no curso de farmácia em uma universidade em Taubaté (SP), após obter nota no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para conseguir cursar o ensino superior.

O pedido foi feito pela defesa da mulher, que atualmente cumpre pena em regime semiaberto. De acordo com a decisão liminar, que é de sexta-feira (10) e foi assinada pelo desembargador relator José Damião Pinheiro Machado Cogan, a autorização é válida para início imediato, já que as aulas do segundo semestre já iniciaram. O curso dela é no período noturno. Na análise, o pedido para cursar a faculdade teve parecer contrário do Ministério Público, que alegou que não há como garantir a segurança da detenta. No entanto, segundo a Justiça, ela preenche todos os requisitos para que tivesse os estudos autorizados.

Suzane Von Richthofen obteve a progressão do regime fechado para o semiaberto em outubro de 2015. A primeira saída dela aconteceu em março de 2016, beneficiada pela saída temporária de Páscoa. Em 2020 e 2017 Suzane também conseguiu passar para cursar graduações, mas não conseguiu liberação da Justiça. Já em 2016, ela foi autorizada, mas se sentiu insegura e pediu para assistir as aulas on-line. Por falta de estrutura na penitenciária, não conseguiu assistir.

Além de Suzane, Anna Carolina Jatobá e Elize Matsunaga também deixaram temporariamente a penitenciária nessa manhã. Elas ficarão em liberdade até a próxima segunda (20), quando devem voltar à unidade. Anna Carolina foi condenada pela morte da enteada Isabella Nardoni, em 2008. Elize foi condenada por matar e esquartejar o marido Marcos Matsunaga, em 2012.

Redação
Redação Administrator
O Milênio

Comentários