Hospital de campanha de Campos segue em situação indefinida

Foto: Arquivo

O hospital de campanha de Campos continua em situação indefinida. No dia 1º de julho, o secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Alex Bousquet, digulgou que o governo não iria concluir as obras.
Após esse anuncio, a pedido da Defensoria Pública do Rio de Janeiro (DPRJ) e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), a Justiça expediu uma liminar que bloqueava aproximadamente R$ 400 milhões de reais de valores dos royalties do petróleo referentes aos meses de junho e julho, com o objetivo de garantir a entrega do hospital de campanha do município, mas uma decisão do desembargador Lindolpho Morais Marinho, da 16ª Câmara Cível no final de julho derrubou a liminar.

Em uma nota enviada para o jornal O Milênio, a Secretaria Estadual de Saúde informou que a instalação deve ser mesmo desmontada, mas ainda não há previsão e certeza de que o investimento será cancelado já que o governo estadual ainda realiza estudos para ver como pode ajudar no combate do avanço do quadro de Covid-19 do município.

O desembargador afirmou que o governo estadual apresentou evidências de que a conclusão das obras não seria mais necessária devido a diminuição no número de casos de contaminação por coronavírus no município. A previsão era que o hospital fosse entregue até abril, para aumentar os leitos disponíveis para pacientes com Covid-19. Em Campos, mais de três mil pessoas já contraíram a doença e mais de 200 morreram por complicações da doença.

Redação
Redação Administrator
O Milênio