Fred faz último jogo pelo Fluminense e encerra a carreira no futebol

Chegou o momento que a torcida do Fluminense tentou tanto adiar. O atacante Fred fez, neste sábado (9), a última partida da carreira na vitória por 2 a 1 do Tricolor sobre o Ceará no Maracanã. Em noite emocional, o jogador pendura as chuteiras colecionando recordes e principalmente a idolatria no clube que mais o abraçou ao longo dos mais de 20 anos de trajetória. São 823 jogos, 413 gols e 20 títulos.

Fred termina a carreira como segundo maior artilheiro da história do Fluminense (199 gols), maior artilheiro da Copa do Brasil (37 gols), segundo maior artilheiro do Campeonato Brasileiro (158 gols) e o maior da Era dos pontos corridos, além de ser o segundo maior goleador brasileiro na Libertadores (25 gols). Com mais de 400 gols na carreira, o camisa 9 também entrou no top-15 de jogadores com mais partidas pelo Flu (382).Revelado pelo América-MG, Fred estreou como profissional em 2003, mas ficou marcado ainda nas categorias de base por ter feito um dos gols mais rápidos da história na Copinha. No Coelho, fez 56 jogos e 33 gols. Logo depois, foi promovido ao profissional. No ano seguinte, se transferiu para o Cruzeiro, onde ficou até 2005 e disputou 69 jogos, balançando a rede 53 vezes.

Na Europa, Fred fez sucesso atuando pelo Lyon. Foram quatro temporadas com 125 jogos e 43 gols marcados. Levantou duas vezes o Campeonato Francês e uma Copa da França. É no Fluminense, porém, que o centroavante constrói a maior história de amor que criou no futebol. Apresentado em 2009, foi importante na campanha contra o rebaixamento, ganhou dois Campeonatos Brasileiros (2010 e 2012), além de dois Cariocas (2012 e 2022) e uma Primeira Liga (2016).

Em 2016, quando o Flu passava por reformulação após a saída da Unimed, Fred deixou o clube e foi para o Atlético-MG, onde foi campeão estadual. Foram 83 partidas e 42 gols, mas acabou deixando o clube de maneira conturbada e com um processo na Justiça que corre até hoje. Em seguida, o camisa 9 voltou para o Cruzeiro para ser campeão mineiro duas vezes e da Copa do Brasil em 2018. No ano seguinte, porém, acabou marcado pela campanha ruim que levou o clube ao rebaixamento.

Na Seleção Brasileira, Fred teve 39 jogos e 18 gols marcados. Ele foi fundamental no título sobre a Espanha na Copa das Confederações de 2013 e também ganhou a Copa América de 2007, além de dois Superclássicos das Américas. Foi convocado para a primeira Copa em 2006, com Parreira, mas acabou ficando marcado pela de 2014, no Brasil, quando saiu sem marcar gols.