Equipe do Hospital Ferreira Machado, em Campos, é selecionada para participar de estudo sobre Covid-19

Equipe do Ferreira Machado

A Vigilância Epidemiológica do Hospital Ferreira Machado (HFM), em Campos, foi selecionada para participar de um estudo sobre Vigilância Genômica da Covid-19, no Rio de Janeiro. Diante da pandemia do coronavírus, a permanência da propagação desta doença, com destaque para as mutações das variantes do vírus SARS-CoV-2 que exigem cada dia mais esforços para compreensão desse fenômeno e suas consequências na população, quanto à transmissibilidade e a gravidade dos casos, a Coordenação de Vigilância Epidemiológica e Superintendência de Informações Estratégicas de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde vai iniciar um estudo amostral a ser aplicado em unidades hospitalares já estruturadas para esse tipo de ação.

Por estar inserido na Rede Nacional de Vigilância Epidemiológica Hospitalar (RENAVEH), o Núcleo de Epidemiologia do Hospital Ferreira Machado foi convidado para participar desse estudo e realizar esse monitoramento genômico de casos de pessoas contaminadas pela Covid-19, que se enquadrem na natureza da pesquisa, em todo estado.

De acordo com a coordenadora do Núcleo de Epidemiologia do HFM, Christiane Ramos, para participar o hospital precisa ter uma vigilância epidemiológica estruturada, que é o caso do Hospital Ferreira Machado. “Os hospitais selecionados enviarão amostras biológicas de pacientes internados, que preencham aos critérios do estudo, para o laboratório estadual de referência em saúde pública, o LACEN-RJ. Para os casos que se confirmarem como positivos para Covid19, também será realizada a análise genômica”, disse.

Vigilância Genômica X pandemia

Os sistemas responsáveis pela vigilância genômica têm como objetivo monitorar os vírus em circulação e identificar as variantes. Esse trabalho é feito por meio do sequenciamento genético de amostras coletadas nos pacientes. Graças a esses profissionais, que atuam em rede, foram descobertas as mutações do Reino Unido, África do Sul e Manaus, no Brasil.

Ainda segundo Christiane, a participação de Campos é muito importante. “Não poderíamos deixar de contribuir com esse momento histórico em que a ciência busca conhecer cada vez mais os fatores determinantes para a propagação do Covid-19 e, assim, termos a esperança de um maior controle da doença e diminuição da mortalidade na nossa população”, ressalta.

Redação Administrator
O Milênio

Comentários