Empresárias criam o grupo “Mulheres na Indústria do Norte Fluminense”

Monalisa Crespo, vice-presidente do SindVest Campos, é a idealizadora do grupo

O próximo dia 8 de março terá um significado especial para a indústria da região. O Dia Internacional da Mulher vai marcar também a criação do grupo Mulheres na Indústria do Norte Fluminense, que conta com o apoio da Firjan. A iniciativa busca valorizar e incentivar a inserção feminina nas indústrias, em um momento que apenas um em cada quatro profissionais neste setor são do sexo feminino, segundo dados da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

O grupo multisetorial terá até 12 representantes das indústrias da região, que vão se reunir mensalmente na sede da Firjan Norte Fluminense – com participações on-line durante a pandemia. A ideia é fomentar, incentivar e qualificar a participação feminina, contribuindo para a diversificação das empresas e para o desenvolvimento de seus talentos e da própria região. O primeiro encontro em 8 de março terá uma palestra intitulada “Desafios da Liderança feminina na retomada da economia”, a ser realizada pela diretora de Compliance e Jurídico da Firjan, Gisela Gadelha. “A indústria, assim como o mercado de trabalho em geral, é historicamente um ambiente mais masculino, e pretendemos colaborar para que a representatividade feminina tenha mais destaque, trazendo a mulher para o centro do debate do desenvolvimento regional”, disse Monalisa Crespo, idealizadora do grupo e vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Vestuário de Campos (Sindvest).

Atualmente, as mulheres representam 32% da força de trabalho da indústria brasileira, segundo dados do portal ODS. O segmento que mais emprega mão de obra feminina é o de confecções e artigos do vestuário, com 75% da força de trabalho. Um dos dados que chama a atenção é o avanço do gênero feminino em setores historicamente dominados por homens, como na indústria extrativa mineral e na construção civil.

Redação
Redação Administrator
O Milênio

Comentários