Em situação crítica, Campos segue sem previsão de inaugurar o hospital de campanha

O governo estadual afirmou que estuda se ainda fará a entrega da unidade

Foto: Arquivo

Com mais de 100 mortes e perto de 2.000 casos oficialmente confirmados, Campos segue com dificuldades para enfrentar o coronavírus. O hospital de campanha, que foi prometido pelo governo do Estado do Rio de Janeiro, não tem previsão para ser entregue. A unidade era vista pela prefeitura como uma forma de amenizar a situação crítica do município.

Em nota enviada para o jornal O Milênio neste sábado (27), o governo estadual afirmou que estuda se ainda fará a entrega do hospital de campanha de Campos e de outros municípios. Apesar do investimento, não está descartada a possibilidade das unidades serem desmontadas em breve.

O prefeito Rafael Diniz afirmou que aguardava a finalização da montagem da unidade para pensar na liberação das atividades presenciais do comércio, mas a inauguração passou a ser uma dúvida para o governo municipal. Os leitos públicos, que apresentam uma alta taxa de ocupação, preocupam autoridades e a população. Atualmente, o município tem 123 leitos clínicos, sendo que 80% deles estão ocupados. Campos também conta 72 de leitos de UTI, mas apenas 10% estão disponíveis para novos pacientes.

Redação
Redação Administrator
O Milênio

Comentários