Em menos de um mês, ministro da Saúde deixa o cargo

Com menos de um mês à frente do Ministério da Saúde, Nelson Teich, deixou o cargo nesta sexta-feira (15). O motivo teria sido uma divergência com o Presidente da República, Jair Bolsonaro, sobre o uso da cloroquina.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que Teich pediu demissão. Um dos motivos da decisão do médico teria sido uma divergência de opinião sobre o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19, isso porque Nelson afirma que este medicamento tem efeitos colaterais, já Bolsonaro defende que esta é uma das medidas mais eficientes para solucionar a pandemia. Atualmente, o Sistema único de Saúde (SUS), receita o remédio em casos graves.

No início da manhã, Teich foi ao Palácio do Planalto para uma reunião com Bolsonaro. Em seguida, ele voltou para o prédio do Ministério da Saúde. A demissão foi anunciada logo depois. Teich justificou “Não vou jogar fora a minha carreira por causa da cloroquina”. Essa é a segunda saída de um ministro da Saúde em meio à pandemia do coronavírus, no dia 16 de abril, Luiz Henrique Mandetta, ex Ministro da Saúde foi exonerado do cargo e Teich o substituiu. Após o pedido de demissão de Teich, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu com a médica imunologista e oncologista Nise Yamaguchi. Ela é a favor do uso da cloroquina.

Bolsonaro também é contra o isolamento Social, medida defendida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e que também estava sendo defendida pelo então Ministro da Saúde, Nelson Teich. Recentemente Bolsonaro assinou um decreto para ampliar as atividades econômicas consideradas essenciais e que, portanto, poderiam funcionar no período da pandemia. O decreto incluía na lista salões de beleza, barbearias e academias de ginástica. Teich foi informado durante uma coletiva de imprensa por um jornalista sobre a decisão do presidente.

Redação
Redação Administrator
O Milênio