Coronavírus: profissionais da saúde de Campos denunciam falta de equipamentos

Foto: Arquivo/O Milênio

Profissionais da saúde pública de Campos reclamam sobre a falta de equipamentos que garantam a segurança dos médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem que atuam em unidades hospitalares do município, contra o coronavírus. Em nota, a prefeitura garante que todas as medidas necessárias para preservar os profissionais estão sendo tomadas.

Neste domingo (22), o médico cardiologista, Rafael Chacar, divulgou um vídeo em uma rede social e falou sobre problemas que têm enfrentado, no Hospital Ferreira Machado (HFM), durante o período da pandemia e pediu providencias. “Estou tentando comprar equipamentos, não só para mim, mas também para os meus amigos. Tenho muitos amigos técnicos de enfermagem, que ajudam os pacientes a tirar os excrementos e eles estão expostos naquela situação. Não é só a máscara, precisa de um avental que precisa ser impermeável e até onde a gente sabe, esses equipamentos não estão sendo fornecidos até o momento. A gente faz um apelo que esses equipamentos cheguem até os profissionais para que a gente consiga prestar os atendimentos de forma digna aos pacientes.”

O médico também questiona a falta de treinamento para as equipes lidarem com o coronavírus. “Eu tenho uma equipe no hospital e nós não recebemos nenhum tipo de treinamento. Você está colocando o seu soldado na guerra, mas não tem nenhuma proteção para ele. Ou seja, estou colocando o soldado com uma faca no campo de batalha, uma faca é capaz de matar alguém? Sim. Mas estou lutando contra pessoas que estão armadas com metralhadoras e fúzis”, afirmou.

Além deste médico, o jornal O Milênio recebeu denúncias de outros profissionais que trabalham no setor da saúde em Campos, que afirmaram que não estão recebendo o material de prevenção correto para trabalhar, em meio a pandemia. Segundo as denúncias, os médicos estão recebendo uma máscara para usar durante todo o plantão, sendo é usada para cirurgia, máscara e não protege contra o coronavírus. A máscara deve ser trocada normalmente de 3 em 3 horas. A correta seria a bico de pato, que não tem nos hospitais, segundo a denúncia.

Sobre esta reclamação, a prefeitura informou em nota que o município adquiriu tanto as máscaras N-95 (bico de pato) como as cirúrgicas, que foram distribuídas para todas as unidades para serem utilizadas de acordo com a necessidade. A N-95 é utilizada para assistência em procedimentos feitos em pacientes com suspeita ou confirmados.

Outra denúncia é que no município não há teste para diagnosticar o coronavírus, o que dificulta o tratamento rápido do paciente, além da falta de kits. Em nota, a Prefeitura informou que o município possui os kits para os testes de coronavírus e, segundo protocolo do Ministério da Saúde, no momento, estão sendo utilizados em casos graves. Pacientes leves são medicados, coletado material para exame e encaminhado ao LACEN, laboratório de referência no Rio, e fica em isolamento domiciliar. Pacientes graves permanecem internados. Na última sexta-feira (20), o município recebeu grande remessa de material, como luvas e máscaras, para os profissionais da saúde de Campos.

Não há caso de coronavírus confirmado em Campos. O município tem 15 casos suspeitos.

Redação
Redação Administrator
O Milênio

Comentários