Campos, SJB, SFI, Quissamã e outros municípios recebem lotes da vacina CoronaVac nesta segunda-feira

Foto: Philipe Moacyr/Arquivo

Campos, São João da Barra (SJB), São Francisco de Itabapoana (SFI), Macaé, São Fidélis, Quissamã, Cabo Frio, Búzios e outros municípios receberão o lote da segunda dose da vacina Coronavac, nesta segunda-feira (22). Ao todo, 88 municípios receberão os imunizantes.

Quatro helicópteros vão decolar do 12º Batalhão de Polícia Militar, em Niterói, levando o imunizante para as cidades. Na última sexta-feira (19.02), Rio de Janeiro, Niterói, Maricá e São Gonçalo retiraram os lotes. Desta vez, serão distribuídas 173.500 segundas doses do imunizante, além de outras 20 mil para utilização como primeira dose – que estavam armazenadas como reserva técnica. A ação contará com helicópteros do Corpo de Bombeiros e do Governo do Estado e apoio da Polícia Civil.

– Conforme programado, estamos fazendo a entrega das vacinas para a aplicação da segunda dose das remessas enviadas nos dias 3 e 11 de fevereiro. Esta estratégia garante o cumprimento de uma etapa do calendário vacinal. Além disso, mais 20 mil doses serão entregues, possibilitando a vacinação de novas pessoas. Estamos aguardando confirmação de envio de remessas pelo Ministério da Saúde, que serão distribuídas de acordo com o proposto pelo Programa Nacional de Imunizações – disse o secretário estadual de Saúde, Carlos Alberto Chaves.

A Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS) reforçou, por meio de ofício enviado aos 92 municípios, a importância de os responsáveis técnicos e gestores municipais organizarem suas ações de vacinação priorizando os grupos elencados no Programa Nacional de Imunização (PNI). A SVS ressalta ainda que a programação deve ser organizada de acordo com o número de doses que serão aplicadas no dia, para que o frasco multidose seja totalmente utilizado. Denúncias de irregularidades na vacinação são encaminhadas imediatamente aos órgãos de controle.

Cabe também ressaltar que as técnicas para aplicação da vacina contra Covid-19 são as mesmas já estabelecidas pelo Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação, publicado pelo Ministério da Saúde há sete anos, e que consta no PNI. Desta forma, não se faz necessária a criação de um novo protocolo específico para o imunizante contra o coronavírus.

A SVS informa ainda que todo cidadão pode e deve acompanhar o processo de vacinação, verificando qual imunizante está recebendo, o uso de seringas descartáveis, a aspiração do produto e a correta anotação na carteira de vacinação. No caso de pessoas incapacitadas, esse acompanhamento deve ser feito por um responsável.

Público prioritário – A definição dos grupos prioritários para a primeira fase da vacinação contra a Covid-19 foi estabelecida pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), por meio de decisões tomadas por comissão tripartite. O Estado segue a recomendação do Ministério da Saúde, repassando as orientações aos municípios. Neste primeiro momento, foi definido um grupo prioritário composto por:

– profissionais da saúde que atuam na linha de frente no combate à Covid-19 e na vacinação;
– pessoas com 60 anos ou mais vivendo em abrigos ou asilos;
– pessoas maiores de 18 anos com deficiência institucionalizadas;
– trabalhadores dessas instituições;
– povos indígenas vivendo em terras indígenas;
– idosos com mais de 90 anos.

Enfrentamento à Covid-19 – A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informa que, até o momento, recebeu do Ministério da Saúde (MS) 1.040.320 doses da vacina contra a Covid-19, sendo 855.320 da CorovaVac e 185 mil da Oxford/AstraZeneca. Com a operação realizada nesta segunda-feira (22.02), o total distribuído é 1.036.390 doses. Uma reserva técnica fica armazenada na Coordenação Geral de Armazenamento (CGA) para repor possíveis perdas.

Balanço vacinação – Até as 9h deste domingo (21.02), 92 municípios registraram 427.482 pessoas vacinadas com a primeira dose. Destas, 80.876  já imunizadas com a segunda dose da vacina contra Covid-19 no estado. O balanço foi realizado por meio de busca ativa, a partir da gerência de Imunização da Vigilância Epidemiológica da Subsecretaria de Vigilância em Saúde, junto às coordenações/gerências de imunização dos 92 municípios do estado. O vacinômetro pode ser acessado pelo site: https://vacinacaocovid19.saude.rj.gov.br/

Nova variante – Foram confirmados cinco casos de pessoas no estado do Rio contaminadas com as novas variantes do coronavírus, sendo um com a mutação britânica (VOC 202012/01, linhagem B.1.1.7), e os outros quatro com a variante de Manaus (Variante P.1, linhagem B.1.1.28). Dois pacientes registrados com a cepa brasileira foram a óbito, sendo um morador de Belford Roxo e outro paciente oriundo de Manaus. A SES reforça que, em ambos os casos, não é possível afirmar que houve agravamento dos quadros devido à mutação do vírus.

As outras duas pessoas contaminadas pela variante brasileira são moradoras da capital, já se recuperaram e tiveram sintomas leves. Estudos apontam que a variante brasileira do coronavírus tem maior capacidade de transmissão, mas a letalidade não difere da linhagem inicial. A SES reforça a necessidade de que sejam intensificadas as medidas de prevenção de contágio: uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento social.

Casos em investigação – Até este sábado (20.02), há 13 casos notificados no estado do Rio de Janeiro, em investigação. O critério para notificação de caso suspeito está previsto na Nota Técnica elaborada pela Secretaria de Estado de Saúde: pacientes com sinais e sintomas de Covid-19 que tenham histórico de viagem ou contato com pessoas oriundas de outros estados e/ou países com circulação de novas variantes.

Cabe à Vigilância Epidemiológica dos municípios o preenchimento de um formulário eletrônico para notificação imediata à SVS/SES, que vai orientar e apoiar os municípios na investigação epidemiológica. As amostras coletadas serão encaminhadas e processadas para testagem molecular e selecionadas para sequenciamento viral pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-RJ).

A SVS ressalta que a chegada de variantes da Covid-19 ao estado era prevista, inclusive, uma Nota Técnica sobre o tema já havia sido enviada aos municípios no início do mês, com recomendações.

É importante destacar que o sequenciamento genético não é um método de diagnóstico para Covid-19, tampouco é indicado para ser feito em 100% dos casos positivos, contudo a análise do seu resultado permite quantificar e qualificar a diversidade genética viral circulante no país. Este é o propósito do monitoramento articulado pela SVS com os municípios na Nota Técnica SVS/SES n. 09/2021.

Redação
Redação Administrator
O Milênio

Comentários