Campos já tem oito casos de chikungunya registrados em 2020

Cerca de 200 agentes de combate a endemia do CCZ não tiveram os contratos renovados para 2020, o que pode aumentar o foco do mosquito

Foto: Arquivo/O Milênio

Após registrar quase 10 mil casos de chikungunya no ano de 2019, a cidade de Campos começou 2020 com novas notificações da doença: já são oito pacientes que tiveram o diagnóstico de chikugunya nos primeiros dias deste ano.

Os dados são do Centro de Referência de Doenças Imuno-infecciosas (CRDI). O número pode aumentar drasticamente já que cerca de 200 agentes temporários de combate a endemias do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) não tiveram os contratos renovados, e por isso, não atuam mais com estas atividades, o que pode aumentar o foco do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da chikungunya, dengue e zika virus.

A equipe de reportagem do jornal O Milênio procurou a Prefeitura de Campos para comentar sobre os contratos que não foram renovados. A prefeitura disse que a Constituição Federal (art. 37, I a IV) prevê a exigência de concurso público para o provimento de cargo público efetivo, assegurando a garantia da estabilidade (art. 41). A Prefeitura de Campos realizou, em 2019, concurso público, por determinação do Tribunal de Contas do Estado (TCE), para que os agentes de combate a endemias sejam contratados por concurso e não mais de forma temporária, como ocorria com o processo seletivo.

Até a efetivação dos aprovados, a Prefeitura solicitou, por duas vezes, na Câmara, aprovação para prorrogação de contratados por processo seletivo para garantir continuidade do serviço, sendo o último prazo tendo sido até o dia 31 de dezembro de 2019. O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) deu início na última segunda-feira (6), ao Curso de Formação Inicial para agentes de combate a endemias. Os alunos foram aprovados no concurso público realizado pela Prefeitura de Campos, em 2019. Essa é a quarta turma de convocados. A Prefeitura de Campos já convocou outros 200, do total de 329 inicialmente aprovados.

O que pode ser feito para combater o foco do mosquito Aedes Aegypti?

De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar, atividades básicas do dia-a-dia ajudam a eliminar a reprodução dos mosquitos. Entre elas, estão: tampar os tonéis e caixas d’água; manter as calhas sempre limpas; deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo; mantenha lixeiras bem tampadas; deixar ralos limpos e com aplicação de tela; limpar semanalmente os pratos de vasos de plantas; não deixar água parada, entre outras.

Redação
Redação Administrator
O Milênio

Comentários