Após morte de caldeireiro, sindicalistas realizam protesto no Heliporto do Farol, em Campos

Fotos: Gabriela Fonseca/NF

O Sindipetro-NF realizou um protesto na manhã desta quarta-feira (3), no Heliporto do Farol de São Thomé, em Campos, contra a insegurança do trabalho que provocou a morte do caldeireiro Patrick Carlos, 37 anos, a bordo da plataforma P-19, na Bacia de Campos.

A diretoria do sindicato denuncia que a redução progressiva de investimentos da Petrobrás em segurança tem provocado o sucateamento das instalações. “Mais um trabalhador perde a vida na Petrobrás, fruto da precarização das condições de trabalho e da redução de investimentos em segurança. Lutaremos por melhores condições e participaremos da comissão de investigação de acidente”, denuncia o coordenador geral da entidade, Tezeu Bezerra.

O ato no Farol começou nas primeiras horas da manhã. Sindicalistas fincaram cruzes nos canteiros próximos à entrada do heliporto e estenderam faixas. Uma delas alerta o trabalhador que “poderia ser você”, conscientizando sobre a necessidade de todos priorizarem a luta pela segurança no trabalho.

Segundo o Sindipetro, as informações iniciais sobre o acidente são de que o caldeireiro morreu em razão de ter inalado CO2 na sala do moto gerador na plataforma, em acidente ocorrido às 9h30 dessa terça-feira. No local, acontecia uma obra de retirada de piso gradeado. De acordo com Tezeu, outros três trabalhadores também poderiam ter sido vitimados. Patrick trabalhava há apenas dois meses e oito dias para a GranIHC Services S.A. , era casado, tinha dois filhos e era natural de São Mateus (ES). O sindicato ainda não tem informações sobre o sepultamento.

O diretor sindical da FUP (Federação Única dos Petroleiros), Antônio Raimundo Teles, vai representar o Sindipetro-NF na comissão de investigação do acidente, que começou ontem mesmo a ser formada. A entidade questiona a razão do disparo de CO2 em uma sala com pessoas, quando só pode ocorrer para debelar incêndio quando estiver vazia. A entidade também está ao lado dos petroleiros e petroleiras da P-19 que paralisaram suas atividades desde ontem, impactados pelo luto e em protesto contra a insegurança. O sindicato reforça que é muito importante que todas as informações sobre o caso sejam enviadas para denuncia@sindipetronf.org.br, com garantia de sigilo sobre a identidade dos denunciantes.