Campanha de doação de medula em Campos tem 1,7 mil cadastros no primeiro dia

O paciente que precisa de transplante de medula tem 25% de chance de encontrar um doador compatível.

Foto: Jean Barreto

Começou nesta sexta-feira (18), o Cadastro de Doadores de Medula Óssea, no Centro Integrado de Educação Pública – Ciep da Lapa. O movimento, idealizado e organizado por um grupo de voluntários, tem por objetivo cadastrar o maior número de pessoas. Segundo os organizadores, neste primeiro dia foram 1700 mil cadastrados.

O transplante de medula óssea é a única esperança de cura para milhares de portadores de leucemia e de outras doenças do sangue e do sistema imunológico. O paciente que precisa de transplante de medula tem 25% de chance de encontrar um doador compatível entre irmãos do mesmo pai e da mesma mãe.

A Unidade Móvel de Coleta de Sangue do Hemocentro Regional de Campos está instalada no local até este sábado (19), das 8h às 16h. Para se cadastrar a pessoa tem que ter de 18 a 54 anos, estar em bom estado de saúde, não ser portador de doença infecciosa, não apresentar doença neoplásica como câncer, doença hematológica ou do sistema imunológico.

De acordo com uma das organizadoras da campanha, Priscila Pixoline Costa, o objetivo inicial era de realizar o cadastro de pelo menos 1 mil pessoas para doação de medula e assim poder muitas salvar vidas.

— Foi uma campanha que começou entre os amigos e foi crescendo e ficou em uma proporção muito grande. O transplante de medula óssea é a única esperança de cura para os pacientes de leucemia e outras doenças do sangue — contou Priscila.

As diretrizes para a campanha começaram a ser discutidas no dia 12 de agosto, em um encontro que reuniu representantes de diversos segmentos da comunidade, familiares de pacientes portadores de leucemia, além das equipes do Hemocentro Regional de Campos e do Laboratório de Histocompatibilidade e Criopreservação (HLA) da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).